Resenhas

RESENHA: Boa Noite

É tão bom quando a gente se surpreende com um livro. Foi exatamente esse o caso com Boa Noite. Quando li a sinopse, achei que seria mais um clichê, mas como eu amo clichês e estou meio viciada nos vídeos da Pam Gonçalves (autora do livro), decidi dar uma chance. Ainda bem que fiz isso!

O que eu gostei já de cara foram as experiências novas de Alina. Comecei a faculdade ano passado e sei bem como é isso de estar em um lugar em que você não conhece ninguém. Por um lado, continuo na mesma cidade de sempre, mas estudei minha vida inteira na mesma escola, então nunca tive que chegar em um lugar em que eu teria que me virar para conhecer pessoas.

Outra coisa muito boa foi o romance, ou no caso a falta dele, entre Alina e Gustavo. O Gustavo foi um dos meus personagens preferidos, mas em momento algum ele foi o foco do livro. O objetivo do livro nunca foi idealizar o casal perfeito, mas sim mostrar o abuso e o machismo que muitas mulheres são submetidas, tanto que esse romance só começa mesmo nas últimas páginas do livro.

Se por um lado o Gustavo foi super amorzinho, Artur e Cauê foram dois desgraçados. Os dois agem como milhares de homens no mundo, parecem super queridos no começo, mas apenas querem uma noite com a menina para depois descarta-la. O nível deles conseguia ser ainda mais baixo, envolvendo drogas e estupro.

A relação de Artur e Alina foi uma coisa muito boa de se analisar. Artur era o cara perfeito no começo e aos poucos foi dando indícios de seu verdadeiro caráter. E novamente, temos uma coisa que a Pam retratou muito bem. Assim, quando uma pessoa está em um relacionamento abusivo, dificilmente ela se apaixonou pelo cara assim, ela se apaixonou pelo que ele demonstrava ser. Entretanto, ninguém consegue atuar 100% do tempo e acaba dando indícios de sua verdadeira personalidade. Lembrou de alguma coisa? Da cena de Artur virando um copo inteiro de bebida no chão apenas porque Alina disse que não entraria no carro se ele bebesse?

E não tem como não falar de Manuela. Gostei muito do jeito e da personalidade dela e acho que o momento mais emocionante do livro para mim foi quando ela contou à Alina sobre Cauê. Já de início, fica claro que algo do tipo aconteceu já que ela demostra ter um certo medo dele, mas mesmo assim, a cena é um tanto impactante.

E por último, quero comentar um pouco sobre o machismo sofrido pelas meninas em seu curso. Novamente, falo da minha faculdade, lá eu nunca tive esse problema. Não sei como é em outros cursos, mas no meu, a maioria dos homens deixa claro o respeito que eles têm pelas mulheres (digo a maioria porque não sei a opinião de todos). Justamente por esse motivo, fiquei extremamente incomodada pela situação retratada. Caramba, não importa se o homem é homo ou heterossexual. Não tem como falar que “gosta de mulher” se não demostra o mínimo de respeito.

O pior é que até os professores eram machistas. Aí é óbvio que o resto da turma seria daquele jeito, o professor é a pessoa que tem que incentivar os alunos à serem pessoas melhores, não piores.

Mas enfim, eu amei o livro. Como disse no começo, ele me surpreendeu muito. Eu só me arrependo um pouco de ter lido no Kindle, quero muito ele na minha estante, mas acho que isso é um plano para a Bienal do Livro já que os preços são muito baratos. Será que eu consigo um autógrafo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: