Resenhas

RESENHA: O Professor, de Tatiana Amaral.

Saiba minha opinião sobre o livro O Professor, de Tatiana Amaral.

Livro: O Professor #1.

Autora: Tatiana Amaral.

Páginas: 420.

Editora: Pandorga.

Lido em: 4 pesarosos dias.

Tenho muito a falar desse livro, então vamos lá, começando pela sinopse:

Charlotte Middleton é mimada e infantil. Uma garota rica, cheia de vontades e com um único objetivo de vida: ser uma grande escritora.
Estudante prestes a se formar com honras em Letras e Literatura, ela se depara com um grande problema: O professor Alex.
E então seus sonhos são despedaçados quando Alex Frankli, seu professor e orientador, resolve reprová-la no seu último semestre. O motivo? Ela não sabia descrever os sentimentos corretos para seus personagens.

Ela só queria aprender. Ele só queria ensiná-la.

Um jogo eletrizante onde Alex exerce a real função de professor e ensina a Charlotte a fórmula certa para cada sensação de prazer.

Ele vai ensinar. Ela vai aprender.

Primeiramente, esse livro é da editora Pandorga, sim, mas não o comprei, pois como já dito, não dou mais do meu dinheiro para uma empresa desse estirpe. Estava curiosa para ler esse livro antes mesmo dele ser publicado pela editora em questão, então decidi-me por ler mesmo com esse inconveniente.

Eu já tinha ouvido falar mal da autora como pessoa também, parece que ela falou algo como “quem não gosta dos meus livros é imaturo”, o que sinceramente, né pessoal? Que posicionamento mais infantil.

Pois eu tenho maturidade, já li diversos livros na minha vida e não só digo que não gostei deste livro como vou expor o porquê com argumentos, analogias e exemplos.

Certo, eu me interessei por O Professor justamente porque achei que seria uma história adulta, “madura”, sabia que seria recheado por clichês, não teria como ser diferente, não é? Eu adoro clichês, então estava achando que a leitura seria agradável, mas foi péssimo, eu encontrei muita imaturidade na escrita da autora.

Não que ela escreva mal, as palavras fluem bem e as cenas eróticas mesmo são bem escritas, mas tem certos artifícios narrativos que são extremamente amadores. Exemplo:

“Meus pais, assim como eu, são ingleses, por isso minha pele muito branca […], o corpo sem nenhum dos atributos das mulheres brasileiras e os olhos claros. Claros até demais. Eram de um azul sem graça, desses de céu em fim de tarde, […].”

Quando eu li esse trecho, precisei parar por alguns instantes, sem saber se ria ou se chorava. Sério isso, gente? Olho azul? Sem graça? Não dá né. É inegável que o pessoal de olhos claros acaba sendo bastante exaltado aqui no Brasil.

Eu já achei essa parte péssima e irreal ao extremo, mas aguardem. Porque piora.

“As pessoas, normalmente, passavam um bom tempo me olhando como se eu fosse uma aberração.”

Really? Aberração por ser inglesa de cabelos escuros, olhos claros e magra. Uau. Não sei nem o que dizer. Será que a Tatiana Amaral vive num mundo diferente do meu? É a única explicação, porque onde eu vivo “aberrações” aos olhos dos outros são bem diferentes.

“Ou seja, sou uma garota comum, sem graça, sem sal, sem nenhum tipo de atrativo.”

É mesmo, é? Poxa, nenhuma coerência.

Além dessa coisa da mocinha se achar o ser mais horrível e sem personalidade da face da Terra estar super ultrapassado, também é deveras desagradável e pobre narrativamente falando.

Tudo bem, a mocinha não precisa se amar, achar que é o ser humano mais perfeito do universo, mas ficar nessa baixo autoestima só para chegar um cara gostosão e fazer ela se sentir linda não é legal, sabem? Fica um tanto quanto… Obsoleto?

Isso é muito Crepúsculo, o que nós sabemos não ser um bom exemplo para se seguir.

Eu deixei até marcado essas partes no Kindle, porque eu achei tão, mas tão improdutivo que eu precisava marcar para vir aqui criticar agora.

Enfim, essa era só a apresentação da personagem protagonista, segui o livro mesmo sentindo que aí vinha bomba. E nesse momento eu digo que realmente devia ter seguido minha intuição.

Acontece que esse livro não tem conteúdo algum. Era sexo, sexo e sexo. Nada além disso. Não existe diálogo, conhecimento de personalidade, é só sexo a todo instante. Eu comecei a sentir tédio a certa altura da leitura, tanto que ia pulando as linhas de putaria porque não estava mais dando, eu queria algo diferente!

Não que eu tenha algo contra obras eróticas, adoro a série Toda Sua da Sylvia Day, mas ali tinha mais conteúdo além da transa. Havia uma coisa por trás, uns traumas passados a serem desenvolvidos, problemas a se encarar, e por aí vai. Tinha maturidade tanto na escrita quanto no enredo, o que não se encontra aqui.

Quando você acha que vai ter uma discussão, um desentendimento ali para dar uma movimentada na coisa: PAH! Mais sexo na sua cara. As coisas não andavam, sabe? O professor diz que a Charlotte precisa de mais conhecimento na área da sedução para escrever seu livro, mas ai gente. Não rola.

Os dois protagonistas são extremamente infantis. Nem parece que um deles tem mais de 30 anos.

Uma parte engraçada é o fato de que, como eu disse, praticamente não há diálogo, só sexo, aí chega determinada parte que Alex vê uma antiga amante e fala que não quer mais nada com ela, porque queria mais do que atração física, mas querido, explique-me, o que, além disso, você tem com a Charlotte?! Exatamente, nada!! Para piorar ainda mais esse quadro, ela é sua aluna! E sim, o que faz é uma forma de aproveitamento em cima dela.

Eu cheguei a rir quando li a parte da amante. Mais uma vez aquela coisa de rir para não chorar.

São 420 páginas que se você tirar o sexo sobra só umas 20. O que nos faz chegar ao fim dessa resenha. Indico esse livro? Se você gosta muito de putaria, pode ser que goste, mas se curte uma coisa mais evoluída, acho melhor procurar outras obras, essa aqui realmente não vale o tempo.

Eu nem sei como rendeu mais três livros, parece-me um ato apelativo e absurdo, mas o que posso falar?

Quem está à minha volta sabe que estou tentando dar oportunidade às autoras nacionais, já que é a minha classe, mas não está indo para frente, pessoal. Por Deus, está difícil, na verdade, e eu me sinto até um pouco culpada por não estar gostando de quase nada. Mas enfim, isso só me prova mais uma vez que não devo me misturar com a gentalha que é essa editora. Definitivamente, esse é meu último livro deles, tendo pagado por ele ou não.

2 estrelas

[Meu Skoob para quem quer estar por dentro de minhas próximas leituras]

2 comentários

  1. Descobri tua resenha através do Skoob e adorei! Concordo com tudo que você falou e o livro ficou bem apelativo pra perfeição da Charlotte ser encoberta por si mesma e só ser “revelada” quando o professor aparece.

    Curtir

  2. Ahh, desculpa pela demora pra responder! E obrigada pelo seu comentário ❤️ Real, a autora não só coloca ela encobrindo a própria beleza pra chegar o príncipe e mudar a cabeça dela, como também mostra isso de uma forma que ela parece ser esquizofrênica, porque não, ela jamais seria uma aberração, tendo as características citadas aqui no Brasil, ninguém olharia pra ela dessa forma citada. Não nesse mundo, hahaha, esses olhares que que a personagem cita só poder ser ilusão da cabeça dela, é muito forçado e irreal.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: