Resenhas

RESENHA: Feios, de Scott Westerfeld.

Saiba minha opinião sobre o primeiro volume da série Feios.

Livro: Feios (Feios #1).

Autor: Scott Westerfeld.

Páginas: 416.

Editora: Galera Record.

Lido em: 3 dias.

Skoob

Feios é o primeiro livro de uma quadrilogia que possui o mesmo título deste.

Aqui acompanhamos Tally, uma garota que está prestes a completar 16 anos e, com isso, se tornar “perfeita”. Acontece que no mundo onde ela vive a sociedade é dividida entre “feios” e “perfeitos”, quando se chega nos 16 anos, as pessoas passam por inúmeros procedimentos para virarem perfeitos. Tally está muito ansiosa para que seu aniversário chegue, mas depois de conhece uma garota chamada Shay, seus planos saem um pouco do planejamento que ela sempre tivera e ela acaba por descobrir novas categorias de pessoas com isso. Temos aí nossa premissa principal.

Preciso dizer que acho que meu tempo de distopias adolescentes realmente chegou ao fim. É sempre a mesma coisa: Um futuro mundo quase apocalíptico onde tem um governo extremamente autoritário que usa um determinado controle, sendo este muito cruel, para se manter soberano sob a sociedade, tendo alguns rebeldes inseridos nisso aí que fazem de tudo por uma revolução, o/a protagonista se mete nesse grupo, envolve-se amorosamente com algum indivíduo, tem uma traição (ou quase isso) em algum momento e assim vai. Ah, às vezes tem umas questões genéticas também, não podemos esquecer.

Com tudo isso que vim falando até aqui, fica claro o que Feios é: Nada de novo. Você provavelmente já viu essa mesma história em múltiplos outros livros, mas com circunstâncias diferentes. E o autor nem mesmo tenta fugir muito disso, é a fórmula exata, sem tirar nem pôr.

A única coisa que realmente acaba por chamar atenção nessa obra é a premissa. Uma coisa é você trabalhar com um jogo que junta um monte de crianças para se matar, outra é um teste que que define o que a pessoa é e que caminho ela deve seguir, outra completamente diferente é definir um mundo numa divisão de feios e bonitos, uma coisa que, querendo ou não, é atual e até mesmo vigente para nossa sociedade contemporânea. Quando eu conheci esse livro, vi logo de cara que era uma proposta um tanto presunçosa, mas ainda assim decidi arriscar, podia ser uma baita farofa ou uma coisa espetacular, de outro mundo. Acaba por não ser nenhum dos dois.

Quer dizer, acaba sendo um pouco farofa sim, mas também tem seus diferenciais que não tornam a leitura inteiramente decepcionante. Mas enfim, primeiro terminarei de destacar os pontos negativos, depois voltaremos para esse tópico, sim?

A escrita do autor acaba por ser muito oscilante. Às vezes muito direta, às vezes muito descritiva. Eu li esse livro super rápido principalmente porque eu pulava linhas, lia bem por cima, por aí ia. E, ao mesmo tempo que tem toda essa oscilação nessa parte, também tem um ponto conflituoso quanto a isso, que é: a história é muito monótona. Você não se choca muito com as coisas que acontecem, o ritmo demora pra começar a agitar. Como li no Kindle, sei que a primeira vez que realmente fiquei um pouquinho surpresa foi quando o livro estava em 67%, ou seja, mais da metade. Antes disso eu estava sempre lendo com a mesma cara de bunda, porque nada era surpreendente e até aquele momento não havia tido uma guinada para mudar ao menos um pouco a situação.

Eu até ia reclamar que as coisas acontecem muito rápido, mas agora vejo que graças a Deus por isso. Se demorassem mais seria um tédio sem fim. Então minha reclamação vai tomar outra forma: o senso de tempo desse livro é estranho. Sei lá, você estava lendo aí do nada tinha passado uns 20 dias e você mal pôde perceber, era só jogado na sua cara mesmo e você que lide com isso e se encontre no enredo.

Enfim, são coisas que realmente atrapalham um pouco na leitura, mas agora digamos os pontos positivos da obra se não o que vai ficar monótono é a minha resenha:

Fiquei extremamente surpresa ao ver que de fato gostei do casal formado. Não é um exemplo de construção e química, mas também não é um horror. Dá pra engolir.

Apesar das minhas reclamações anteriores, a premissa é boa mesmo. Trouxe-me alguns questionamentos interessantes. É aquela coisa que sempre ouvimos: a beleza não é nada, o que importa é o seu coração e blá-blá-blá, mas e num mundo onde você é basicamente obrigado a fazer plásticas para ficar bonito, por que existiriam pessoas que escolhem ser feios? Tudo bem que tem um que atrás disso, mas eu me questionei isso por alguns instantes e a resposta é muito simples. Somos todos diferentes e é isso que nos torna nós, que nos dá uma identidade. Tirando aquela coisa de beleza ser relativa, afinal, o que é ser perfeito? Hoje o padrão de beleza é um, mas há dois séculos atrás era outro, e isso sempre será alvo de mudanças. Então vale a pena mesmo destruirmos nossas vidas por algo que não é eterno, como aparência? Como minha prima gosta de dizer, o que temos por fora é uma mera casca, nosso âmago, nosso “eu”, está na alma.

Talvez esse enredo pudesse ter um desenvolvimento um pouco melhor e mais original? Definitivamente, mas… O que posso dizer? As editoras querem algo que vende, uma coisa comercial, essas foram palavras de uma agente literária. E esse molde de distopias vende, então para que tentar lançar algo original se possivelmente será descartado? A vida tem dessas.

Gostei do final também, não é algo dedutível, mas não era o que eu estava esperando seguindo o ritmo que as coisas estavam tomando, então me pegou de surpresa e acho que lerei o próximo livro para ver o que vai acontecer.

Em suma, Feios não tem nada de novo, sendo o que sempre vemos em qualquer distopia, além de possuir vários defeitinhos chatos, mas tem uma premissa que chama atenção, e traz questionamentos interessantes. Para quem quer dar uma variada nas leituras, como eu, ou relembrar as boas e velhas distopias, é uma ótima opção!

[Meu Skoob para quem quer estar por dentro de minhas próximas leituras]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: