Extras

A problemática de Belo Desastre.

Problematizando o livro Belo Desastre.

Livro: Belo Desastre.

Autora: Jamie McGuire.

Páginas: 392.

Editora: Verus.

Lido em: 2 dias.

Então amores, hoje decidi trazer um estilo de resenha diferenciado, vou falar de um livro, expor seus fatores positivos e negativos, mas o foco principal é problematizar determinado fator dentro da obra.

Hoje a obra a ser problematizada é Belo Desastre, da autora americana Jamie McGuire. O livro é um new adult, gênero que está bastante em alta nos últimos tempos, eu gosto, não é meu estilo favorito de livro, mas de vez em quando aprovo a leitura deles, só acho que esse daqui foi estruturado de uma forma irresponsável e ademais explicarei o porquê.

Ele acompanha Abby Abernathy, uma universitária que vive com a melhor amiga, America e que, devido a certas pregações do destino, acaba se envolvendo com Travix Maddox, um cara gato, musculoso, irresistível e todas aquelas coisas de fanfic mesmo. Eles fazem uma aposta super inconsistente e o livro todo gira em torno disso.

Eu não sei a origem desse livro, mas parece uma fanfic de fato, se alguém souber, favor comunicar, porque nossa… O desenvolvimento fajuto de personagens e acontecimentos é típico da escrita de uma fic. Jamie até tenta jogar um plot ou outro pra mostrar que é uma história madura, mas sinceramente? Não pega. É realmente como as fanfics, a autora joga uma coisa que teoricamente é pra ser madura, mas não cola porque a pessoa não tem perspicácia suficiente pra desenvolver isso.

Tudo é um grande clichê nesse livro, só de ler a sinopse eu já fiquei meio enjoada, entretanto, minha prima tinha dito que era muito bom, uma das melhores leituras dela, então eu dei uma chance mesmo assim, e eu digo pra vocês que já li fanfics melhores, porque algumas ainda tem um segmento, a premissa é tal e no decorrer dos capítulos ela vai se desenvolvendo, aqui não temos isso, tudo é jogado de forma porca e mal analisada, parece uma zona de acontecimentos que nos levam de nada a lugar algum. E não adianta vir me falar que é normal no gênero, porque já li livros da Colleen Hoover e Um Caso Perdido é um hino de livro, muito consistente e bem estruturado, nem se compara a Belo Desastre.

Nas primeiras linhas eu já sabia que não era grandes coisas, mas continuei, claro e assim fui lendo. Gente, o Travis é um grande idiota e a Abby é uma completa retardada por se deixar envolver com ele! Para começar que ele se apaixonou perdidamente por ela de uma hora pra outra, o quão irreal é isso?

E, além de tudo, aqui chegamos na problematização: ele é abusivo.

Meninas, se um cara é ciumento a ponto de agredir outras pessoas, brigar com você por isso, transa com várias meninas mesmo sendo apaixonado por você, lhe obriga a trocar de roupa por não ter gostado do comprimento, mexe nas suas coisas sem permissão e tatua seu nome com pouco tempo de namoro claramente só pra te prender (eu ainda não acredito nisso, sério, não tatuem nome de namorados em nenhuma hipótese!!!!) foge desse cara, pelo amor de Deus! Não é romântico, nem bonito, muito menos apaixonado. Ele é um doente!! E certamente, se Travis fosse um homem de fato, haveria diversas ordens de restrição em cima dele, porque o cara é louco mesmo. Mas a autora não parece se tocar disso e pior, tem a irresponsabilidade de colocar um relacionamento nojento e abusivo para um monte de adolescentes lerem e almejarem isso para suas próprias vidas.

Se o seu público alvo é adolescente, você tem que ter muita cautela com o que escreve, eu ainda sou considerada adolescente, tenho 18 anos, mas lá com os meus 14 era muito impressionada e manipulável, com certeza a experiência dessa leitura teria sido diferente e eu adoraria ter um Travis para mim, glória a Dumbledore que li essa coisa com 17, mais madura, e vi a grande frivolidade que é.

Meninas adolescentes tendem a ser facilmente manipuladas, além de suscetíveis ao extremo, escrevendo isso, eu penso em minhas primas de apenas 12 anos, eu só permitiria que elas lessem um livro assim para ver o relacionamento que elas não devem ter nem aceitar.

Travis persegue a Abby, persegue os caras que saem com ela, é um descuido gravíssimo esse da autora, ela mostra situações que devem ser abominadas como questões comuns e rotineiras, sendo que devia estar mostrando o extremo oposto! Existem milhões de mulheres envolvidas em relacionamentos abusivos que nem mesmo se dão conta disso, e quem entra em um, é extremamente difícil para conseguir sair, a sorte é daquelas que não acabam por casar ou serem agredidas pelos parceiros, faz mais de séculos que a mulher parou de ser propriedade do homem, em pleno século XXI termos histórias que ressaltam a submissão e subordinação é no mínimo de um mau gosto terrível.

Nossa missão, digo a das escritoras, é mostrar que há formas de sair de uma relação desse tipo sim, precisa de força e apoio, mas tem como e muito além disso, você precisa sair dessa! O feminicídio e agressão contra mulher estão cada dia subindo mais nas estatísticas e vocês acham mesmo que a relativização disso nos meios de entretenimento não tem nenhuma influência?

Outro ponto importantíssimo para se ressaltar é a apologia ao sexo sem proteção. Ainda que ambos sejam maiores de idade, eles estão na faculdade e nenhum dos dois tem estabilidade psicológica, financeira e familiar para ter uma criança, isso sem entrar no tópico de DSTs, que julgo nem ser necessário.

Novamente voltamos para o ponto do público alvo. A vida sexual está começando cada dia mais cedo para meninos e meninas, acham mesmo que é saudável colocar um casal transando sem proteção para adolescentes, retomando os adjetivos “impressionados e facilmente manipuláveis”? Deixo o questionamento aí para refletirem, somente.

Enfim, termino essa problematização por aqui. Vou me obrigar a ressaltar um ponto positivo nesse livro, então digo que é a escrita, apesar de todos esses defeitos, é uma história fácil de ler. Acredito que se relevar esses fatores ressaltados aqui até dá pra aproveitar bem, mas não relevem!!! São assuntos importantíssimos a serem discutidos e mudados dia-a-dia. Não recomendo esse livro, se querem ler um new adult, indico os livros da Colleen Hoover ou Jennifer Brown, que são muito mais ajuizadas e conscientes.

3 comentários

  1. Simmm!!! 90% das pessoas que eu vejo ama esse livro, muitas vezes eu fico triste kkkk, fico me perguntando se o problema é só comigo, mas eu realmente fiquei desconfortável e brava enquanto lia

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: